segunda-feira, 7 de abril de 2008

De volta à Igreja

O que acho legal é que sempre há alguém, na maioria das denominações, que tenta viver na dependência de Deus, ouvindo sua voz e buscando agradar só o seu coração, não o próprio ego.
Sei que ir à mesma "i"greja não é congregar. Mas, a melhor opção pra mim ainda é freqüentar a "i"greja. Ainda que isso só não baste, é importante pra mim. Me ajuda a conhecer e manter amizades que se desenvolvem no cotidiano. Encontro pessoas que também se questionam sobre o verdadeiro papel do povo de Deus e, juntos, podemos orar e fazer o melhor a respeito.
Acredito também que Deus fará a transformação, ou volta ao modelo que ele pensava ao falar ekklesia, nessas instituições e que isso começará por dentro delas (cada pessoa disposta a ver a Igreja de Jesus gloriosa é uma engrenagem no processo) simultaneamente à toda a movimentação de cristãos que não estão inseridos nesse contexto, os que "não congregam". Como característica dessa movimentação é importante dizer não para as "placas" e amar, conviver e trabalhar junto com pessoas que confiem em Jesus apesar do nome e dos detalhes diferentes. Estar disposto a cooperar no Reino de Deus.
Segundo Dallas Willard, duas "coisas que têm obcecado a igreja visível" são justamente a "conformidade exterior à fraseologia dos ensinamento de Jesus a respeito dos modos de agir em situações específicas; e a confissão da doutrina perfeitamente correta" pois "não proporcionam um trajeto de crescimento e aperfeiçoamento pessoal que normalmente resulte em pessoas aptas a 'ouvir e fazer'. De duas uma: ou esmagam a mente e a alma humanas, separando as pessoas de Jesus, ou então geram legalistas preconceituosos e especialista em teologia, gnte que 'com os seus lábios me honra, mas o seu coração está longe de mim' (Is 29:13). O mundo certamente não precisa de mais gente assim". Concordo com ele.
Assim penso que faço parte desse retorno e, por isso, é importante (para mim, como um chamado específico) estar inserido em uma "i"greja, uma parte da grande Igreja.
A citação, pra variar, é de A conspiração divina. As idéias talvez tenham saído meio fora de ordem ou soltas. É que estou com muito sono e não costumo escrever para leitores. Ficou mais parecido com as idéias que escrevo no caderno das minhas heresias. hauHAUH
Isso aqui eu adicionei depois (dia 08/04/08 as 10:15):

Comecei esse post como um comentário a Volta o cão arrependido... do Thiago Mendanha e ele, ao comentar o meu post, criou um post também, Congregar ou não, eis a questão...

A minha intenção foi escrever sobre mim, a minha função em especial e coisas que eu tenho visto com uma perspectiva minha. hehe Talvez por isso a primeira pessoa. E reconheço os cristãos que "não congregam" (e aí eu uso esse termo não por acreditar que não congregam realmente, mas por ser assim que são conhecidos) como parte fundamental no processo da "volta à Igreja".

3 comentários:

danieldliver disse...

Saudade do caderno de heresias!! Você vai encontrar muita gente que não acredita mais nas igrejas, e eles têm razão em muitas coisas. Mas, de qualquer forma, as pessoas precisam se reunir com outras, nem que seja para falar do que não concorda nas igrejas. Se essas pessoas são aprendizes de Jesus e decidirem reunir-se para cultivar a fé, "BUM", plantaram uma nova igreja.

Abraçow, Marco!

Thiago Mendanha disse...

Brother, ahuahua, ía comentar seu post e acabou virando um post pra mim... confere lá...

Lion of Zion disse...

Meu xará eu não tenho estomago para congregar. Até tenho umas "i"grejas (como citado) que eu digo que namoro de forma platônica. rs

O fato é que não sinto o peso de estar inserido. O fato é que não quero estar inserido na paranóia de "ter que agradar" fulano ou beltrano por me sentir obrigado ou por me sentir condicionado a fazê-lo. Isso parte de mim com vc pode acontecer diferente e isso é bom saber.

Saber que existem pessoas que esperam que o sistema institucional imploda.